Featured

Angel Vianna

by março 11, 2018

Nada melhor do que falar sobre Angel Vianna pra reativar os posts de agenda cultural aqui do blog. ♥




Ontem visitei a Ocupação Angel Vianna no Itaú Cultural e está muito linda. Muito da história pessoal de Angel é mostrado como fotos de família e do início na dança, cadernos de anotações, bilhetes e cartas entre ela e o filho. Sobre a carreira e sobre sua visão da dança também são expostos textos e anotações dela a respeito de como vê o ensino das artes do corpo, como surgiu seu centro de ensino e muito mais. 

É tudo muito interessante e pessoal. A vida da Angel literalmente se mistura com seu trabalho e entrega para a dança. 

Abaixo selecionei alguns vídeos que estão na exposição e que achei muito valiosos para quem, como eu, estuda e vive a dança: 










A playlist completa pode ser vista AQUI


Se for de São Paulo ou estiver por aqui e tiver a oportunidade recomendo muito que visite essa exposição e conheça um pouco mais dessa mulher incrível que contribuiu e ainda contribui muito para a dança e estudos das artes do corpo. 






Ocupação Angel Vianna (site oficial

até 29 de abril de 2018 

terça a sexta, das 9h às 20h [permanência até as 20h30] 
sábados, domingos e feriados, das 11h às 20h 

Itaú Cultural 
Avenida Paulista 149


RONDÉ

by janeiro 29, 2018

Descobri o RONDÉ muito por acaso e gostei bastante do indie pop desses holandeses. Não é um estilo que escuto muito porque sempre tenho a impressão que todas as bandas são iguais e fazem um som meio enlatado... mas o RONDÉ me ganhou em algumas músicas. 
Recomendo para os fãs do estilo. :)

As músicas, cd completo e singles, estão disponíveis no Spotify.

Os clipes da banda são outro ponto que gostei bastante. São bonitos e bem feitos! Separei dois pra deixar aqui: 










*

Leituras de 2017

by dezembro 30, 2017



2017 foi um ano bom em vários aspectos, mas sem dúvida um dos mais importantes foi o fim de uma ressaca literária que durou anos e minha volta ao mundo dos livros. \o/

Não foram muitos livros lidos e nem chegou perto dos 12 que queria ter lido quando comecei o ano fazendo desafio de um livro por mês, mas estou tão feliz por ter conseguido me livrar do fantasma dos livros abandonados. Quando relaxei e abandonei a meta tudo ficou mais leve. Estou satisfeita e torcendo pra que em 2018 eu consiga melhorar ainda mais. :) 

Vamos a eles:

- A Peste de Albert Camus

Um livro que me rondou por bastante tempo e me surpreendeu demais. Uma história sobre pessoas, sobre humanidade, morte e vida. A primeira metade é um pouco arrastada mas do meio pro fim não dá pra parar de ler e você entende melhor e até passa a gostar mais da primeira metade.
Recomendo muito! 



- O Homem Duplicado de José Saramago 

Talvez livro mais difícil do ano. Foi nele que lutei demais contra a vontade de desistir porque além de estar destreinada para ler Saramago (quem já leu sabe que não é dos autores mais fáceis), eu também já sabia a história porque vi o filme (que recomendo fortemente).
Bom, Saramago é Saramago né? Talvez não tenha gostado tanto quando gostei do Ensaio Sobre a Cegueira mas esse é também um livrão. Vale dar uma chance.




- A Vontade e a Fortuna de Carlos Fuentes

Um novelão mexicano muito bem escrito. Comprei esse livro há uns 4 anos e estava na lista moral de "esse ano vai!" hahaha. Gostei e é bem bacana para conhecer nuances da sociedade mexicana. Um pouco arrastado (ou foi minha ressaca querendo voltar), mas recomendo pra quem gosta de drama e plot twist. 





- Rútilos de Hilda Hilst 

Aqui quase cai novamente. Um livrinho fininho que demorei muuuuito pra ler, mas deu tudo certo! Hilda é maravilhosa mas talvez o fato de ser um livro de contos tenha prejudicado meu foco. São contos lindos e recomendo muito a leitura.



- Mitologia Nórdica de Neil Gaiman 

O livro mais levinho, mais diversão e amor. Quem me conhece sabe como amo a mitologia nórdica e como ela é importante pra mim. O livro de Gaiman é lindo, cheio de poesia e conhecimento. Mais do que recomendado pra quem se interessa por esse panteão e suas histórias mágicas. 

A post shared by Inúmeras Partes (@inumeraspartes) on


- As Meninas de Ligia Fagundes Teles 

Uma ótima autora e um livro maravilhoso! Intenso, envolvente depois que passa o estranhamento pela maneira que foi escrito, personagens fortes e bem construídas e momentos tão lindos (e tristes as vezes) que eu sentia aquela felicidade por estar lendo algo tão bom.
Mais do que recomendado e quero muito ler mais da autora. 

Finalizado o livro #6 do ano! As Meninas de Lygia Fagundes Telles foi o primeiro livro que li indicado pela @tatianafeltrin depois de muito tempo acompanhando o canal dela e gostei demais! ❤📖 Apesar do estranhamento inicial da maneira como Lygia constrói a narração da história é tão lindo acompanhar as personagens e conhecer o íntimo da vida e pensamentos delas que o estranhamento logo passa. Imaginar a vida em São Paulo naqueles anos de ditadura é algo muito forte também e nos faz pensar como devia ser ainda mais sofrido ser mulher naqueles dias. Lindo lindo esse trabalho. Indico muito e estou ansiosa para ler outros livros da autora. 😀 . . . @companhiadasletras #livros #literatura #instabooks #livro #lido #literature #literaturabrasileira #lygiafagundestelles #book #bookstagram #instalivros #ciadasletras #companhiadasletras
A post shared by Inúmeras Partes (@inumeraspartes) on


- O Conto da Aia de Margaret Atwood

Ultimo livro finalizado e que livro! Assim como a maioria das pessoas soube do livro por conta do sucesso que a série fez e me interessei muito pelo assunto. Preferi ler primeiro antes de assistir e foi sem dúvida a melhor escolha. O livro é incrível. Pesado, reflexivo e muito pessoal. Uma narração em primeira pessoa que te faz querer abraçar a personagem várias vezes. 

A post shared by Inúmeras Partes (@inumeraspartes) on


livro extra: Os Pilares da Terra de Ken Follett

Esse eu comecei novamente em Junho após muito tempo de abandono (tentei a leitura em 2011...hahaha).
É gigante e estou sem pressa. Leio um pouquinho a cada vez nas pausas de outros livros e tá tudo bem. Gostando bastante por enquanto dessa novela medieval. :)





E vocês leram bastante esse ano? Espero que sim e que venham muito mais livros bons em 2018! 💜

*

Diário de Danças #5: Raízes do Tribal

by dezembro 11, 2017
Carolena Nericcio, Jill Parker e Rachel Brice

Há algum tempo venho questionando minha trajetória na dança tribal. Muitas foram as influências que já me encantaram e inúmeros são os caminhos que esse estilo extremamente novo pode seguir enquanto se molda. 

Bem, me senti perdida e o que fazemos nessas horas? Voltamos para as nossas raízes e repassamos tudo o que aprendemos. Revemos de onde nasceu a dança que tanto nos tocou e que ainda nos move. 

O YouTube é uma fonte inesgotável de informação, mas escolhi uma playlist que gosto muito para deixar aqui e registrar esse ponto de retrospectiva na minha história de estudos.

A lista de vídeos é de autoria de Rachel Brice. Ela faz uma linha do tempo que vai desde as inspirações de Jamila Salimpou passando pela própria Jamila e chegando ao início do fusion com o Ultra Gypsy de Jill Parker.
Link para a playlist AQUI e disponível abaixo: 



E seguimos dançando sempre. ♥


ps: existe uma playlist semelhante de autoria de Mariana Quadros que pode ser vista AQUI

*


Narcisismo e depressão

by novembro 06, 2017

A TV Cultura segue como melhor emissora aberta de tv para mim, o Café Filosófico um dos melhores programas e trago aqui mais uma vez um assunto tratado nele que acho bem interessante compartilhar. Pensamentos sobre depressão e narcisismo moderno na incrível fala de Teresa Pinheiro. 

Como foi que ficamos tão dependentes do olhar do outro e da reafirmação da existência?


"o olhar do outro define quem eu sou"  

Em menos de um século tudo ficou diferente. A internet mudou nossa relação com o tempo, com o espaço e o conhecimento. Depois dela já não existe longe, não existe depois. A necessidade de superexposição talvez seja o sintoma que nos denuncia. E vem das redes sociais a questão existencial do nosso tempo: parecer ou não parecer?  

Se somos filhos de uma época que nos deixa cada vez mais dependentes do olhar do outro, ao mesmo tempo parece que estamos cada vez mais aprisionados em nós mesmos. Existe antídoto? O que está nos faltando na contemporaneidade? Teresa Pinheiro discute essas questões, refletindo se o olhar do outro define quem somos.



Café Filosófico CPFL
ilustração: Marco Melgrati
*

Legend - Midnight Champion (2017)

by outubro 17, 2017

Fato que Legend é hoje uma das minhas referências musicais preferidas. O duo islandês formado por  Krummi Bjorgvinsson e Halldor “Dori” Bjornsson já apareceu por aqui nesse post e hoje volta com o o álbum novo que está incrível. 

O Legend é uma mistura louca de goth 80', eletropop, synthpop, industrial, rock e tudo mais que eles quiserem. "Midnight Champion" lançado recentemente é bem diferente de "Fearless", álbum de estréia lançado em 2012, mas mesmo assim preserva a essência do projeto. 

Confira a seguir o álbum completo que também está disponível no Spotify, GooglePlay e Itunes. 






Coisa fina. :) 

Metal Armorial e a xilogravura animada

by outubro 15, 2017

Algo muito legal das artes é a possibilidade delas se encontrarem. No curta animado "Metal Armorial" esse encontro foi feliz e resultou em um trabalho muito bonito de se ver. A mistura entre xilogravura e animação trouxe uma textura nova e interessante. 


O filme Metal Armorial, curta metragem em animação, mescla elementos estéticos de histórias em quadrinhos, western (faroeste) e xilogravura para narrar o dilema de um jovem vaqueiro. O filme retrata uma região árida, repleta de desafios e que bem poderia se localizar no Arizona norte-americano, no Outback australiano ou no Cariri brasileiro.

Veja a seguir o trabalho com ilustrações de Minna Miná e  animação de Beethowen Souza. 



*conheci no Assiste Brasil

Henn Kim

by julho 19, 2017

Precisamos Falar com os Homens?

by maio 27, 2017


Seguindo a boa onda de projetos audiovisuais que debatem os malefícios da cultura machista, que já apareceu aqui no blog no post sobre The Mask We Live In, hoje quero deixar a dica de uma produção nacional muito necessária.

No âmbito do movimento #ElesPorElas (HeForShe), o documentário "Precisamos falar com os homens? Uma jornada pela igualdade de gênero" procurará aproximar os homens desse tema tão importante. O objetivo é mostrar que a igualdade de gênero é uma questão que afeta a todos e todas e que, portanto, é benéfica a homens e mulheres. Nele investigamos como se formam, se sustentam e de que modo podemos desconstruir os estereótipos de gênero nocivos, que perpetuam o nosso cenário atual. O documentário é resultado de uma pesquisa qualitativa que rodou o Brasil e será complementado pela pesquisa quantitativa online ainda em curso.A desigualdade de gênero é uma das violações mais persistentes de direitos humanos do nosso tempo. Ainda que estejamos caminhando para uma realidade mais igualitária entre homens e mulheres, ainda há muito a se construir."



Pensemos na nossa sociedade e em nosso papel dentro dela.


*****


Extra:

Soube do documentário "Precisamos falar com os homens?" através do vídeo do TED "Quebrando o silêncio: como os homens se transformam" de Guilherme Valadares. Recomendo muito também: 






*


Positividade obrigatória e outras coisas

by maio 22, 2017



Já faz um tempo que a mania de ser positivo ao extremo, de se amar toda hora a qualquer custo e amar todo mundo ao redor sempre, e "gratidão" pra lá e pra cá, etc. vem me cansando e sabe por que? É falso na maioria das vezes. É um marketing pessoal porque combina com a vida perfeita de rede social que todo mundo gosta de mostrar por aí. 

Você não pode discordar, não pode estar num dia ruim ou numa fase ruim da vida que vira a chato pra sempre, não pode ser reservado que é o mal humorada por não ser amigo de todo mundo o tempo todo, não pode tirar férias do pacote "good vibes" de comportamento.

Sabe o que eu acho de todo esse bando de regras pra ser quem você é de verdade só que não porque tá atuando? Um saco. :)


Aconteceu que eu estava pensando isso e por achar que eu era o problema (
porque esse padrão de se comportar faz isso...faz você sentir que o erro é você) nunca falei nada até que topei com esse vídeo da Julia Petit e com o texto que ela indica e ufa! Tá tudo bem ser normal.

O foco dela é sobre o corpo/aparência, mas vale pra vida. 


Link direto para o trecho AQUI ou corra o vídeo a seguir para 27m51s: 




Ninguém é obrigado a ser feliz e positivo o tempo todo. Sejamos tolerantes conosco. 




*
Tecnologia do Blogger.